Pular para o conteúdo principal

2 Samuel 12 - Quando Deus diz NÃO

O capítulo 12 de 2 Samuel foca num episódio difícil e muito triste na vida de Davi. Esse homem era conhecido por suas vitórias e conquistas, afinal Deus o havia tirado dos campos e do meio das ovelhas para se assentar no trono de Israel. Porém Davi agora estava sofrendo com a disciplina divina.

O rei havia cobiçado a mulher de seu próximo, Urias, o heteu. Davi foi tomado por uma paixão quando viu Bate-Seba, e ele resolve logo seduzi-la. Primeiro pecado: Davi cobiça a mulher alheia. Segundo pecado: comete adultério com ela de fato.

O pior é que, depois do adultério consumado, Bate-Seba engravida. Ou seja, um erro gerou ou levou a outro erro - é assim que ocorre conosco, um pecado leva a outro, e a outro, se não nos dermos conta estaremos "dominados".
Terceiro pecado grave de Davi: o rei arma uma emboscada, uma cilada para que Urias morra à frente da batalha contra os filhos de Amom. O filho de Jessé comete um homicídio.

Que situação complicada! Davi se envolvera numa trama de transgressões que, obviamente, não agradou nada a Jeová. Reflita : um homem honrado por Deus, que de pastor de ovelhas passara a rei do povo de Deus, agora se via desaprovado pelo Senhor que o escolhera.

Ser ungido não significa ter privilégios com Deus. Ser escolhido não significa ter "carta branca" e permissão para errar de vez em quando. O Senhor não faz acepção entre grandes e pequenos, reis e plebeus, ricos e pobres: TODOS SÃO FILHOS, PARA RECEBER BENÇÃOS OU CORREÇÕES. Existem crentes que se acham acima de qualquer suspeita ou delito, que saem julgando e não admitem ser julgados. 

Ser cristão não é garantia para só arcar com benefícios na vida. Deus prova a quem ama, tenha isso sempre em mente. Não interessa quantos anos você tem de Evangelho, o Senhor "não te dá colher de chá por tempo de serviço". 

Veja o que ocorre com Davi. O profeta Natã o repreende por ordem de Deus e diz que seu filho com Bate-Seba morrerá. Davi se entristece por causa da criança e a Bíblia diz que ele ora e jejua, intercede ao Senhor para que poupe a vida daquele inocente. Porém, mesmo com a interferência do rei, a criança falece.

Temos que nos conscientizar de que a vontade soberana de Deus e a nossa nem sempre são iguais. Davi, apesar de pedir insistentemente para que seu filho vivesse, Deus permite que morra. Jeová fora cruel? Não. Ele poderia ter salvado a criança? Claro. Mas os pensamentos dEle são mais altos que os nossos. Por isso, devemos estar preparados para um NÃO da parte de Deus.

O nosso querer precisa se submeter ao querer dEle. Porque sendo onisciente, conhece o que é melhor para nossas vidas, e para que nos aproximemos cada vez mais de Sua presença, Deus nos permite passar pelas perdas. Davi perdera seu filho como consequência de sua transgressão, como disciplina do seu Deus, mas o ocorrido não era o fim para Davi.

A Palavra de Deus nos diz que, ao saber do pior, o rei de Israel, em vez de se desesperar, chorar o seu luto, o que seria normal, Davi entra no templo e adora ao Senhor. Que gesto de submissão, amor e reconhecimento da grandeza da vontade de Deus! Num momento como esse, alguns poderiam dizer: - Não vou mais servir a Deus! ou - Não vou mais à igreja!  

Às vezes por coisas pequenas, nós queremos desistir. Tome como lição a perda de Davi. Ele não murmurou, mas adorou. Adore ao Senhor, não reclame da prova. Depois da prova, Deus ordena a vitória. Repare como o plano de Deus é perfeito: depois da tragédia, Bate- Seba concebeu novamente, e deu à luz a Salomão, o futuro sucessor de Davi.

A verdade é que o Senhor sabe muito bem o que Ele faz. Nada é em vão nas nossas vidas, pois todas as coisas cooperam para o bem daqueles que O amam. Em todo tempo, Deus cuida de nós. Em todo tempo, Ele está no controle de todas as coisas.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

2 Reis 6 - Geazi e a cegueira espiritual

A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a PROVA DAS COISAS QUE NÃO SE VEM. As palavras de Hebreus 11:1 nos revelam que confiar em Deus é ir além do que a visão humana pode alcançar. É acreditar naquilo que nossos olhos não enxergam. 
Pois bem, em 2 Reis 6 narra-se um episódio em que o profeta Eliseu e seu moço estavam encurralados. Ben-Hadade, rei da Síria,  havia cercado a cidade de Samaria com seu exército.  Esse rei fazia guerra a Israel, porém Deus dava livramento ao povo através de Eliseu, revelando a ele as estratégias de Ben-Hadade (2 Rs 6:9,10). 
Diz a Palavra que o exército sírio cerca a cidade durante a noite. Às escuras, às escondidas, como todo inimigo faz. Assim é o nosso adversário, vem traiçoeiramente tentar nos afligir. Na manhã seguinte,  o moço levanta muito cedo e avista os carros e cavalos cercando a cidade. Imagine o desespero daquele rapaz! Um grande e poderoso exército ao seu redor, sem possibilidade de escape. 
Quando Geazi vira para Eliseu e pergun…

Isaías 39 - O inimigo bate à porta

Formar vínculos de amizade é algo bom e agradável. Mas há que tomar cuidado com aqueles que, aparentemente "inofensivos", vêm bater na nossa porta. Essa precaução transcende a vida social. No âmbito espiritual, nós cristãos precisamos estar atentos aos INVASORES, cujo objetivo principal é desestruturar a nossa casa.
O rei Ezequias de Judá era um homem temente a Deus, que andava retamente diante do Senhor. Ele já havia vivido um grande livramento de morte, pois Deus lhe acrescentara 15 anos de vida. Também, no reinado do filho de Acaz, o reino de Judá se viu livre da dominação assíria, pois Deus destruíra o exército de Senaqueribe.
Agora, o rei gozava dias de paz prometidos e garantidos pelo Senhor. Mas eis que Ezequias recebe uma "ilustre" visita. O rei da Babilônia, Merodaque- Baladã, envia uma comitiva ao encontro do rei de Judá com cartas e um presente, porque havia ouvido que ele estivera doente. Um ato aparentemente normal, e até louvável.
Ezequias se alegrou c…

1 Samuel 15 - A desobediência de Saul e a rejeição da parte de Deus

A obediência a Deus é a chave da vitória, do êxito. Saul sentiu isso na pele ao querer fazer sua vontade em contraposição à do Senhor. Como resultado, o até então rei de Israel perde sua coroa e começa a viver em declínio constante, até sua morte.
Saul fora ungido pelo profeta Samuel por ordem de Deus. Afinal, o povo de Israel pedia insistentemente um rei. O Senhor atende o pedido, e os israelitas começam a viver o período monárquico.
Em um determinado momento, Deus dá uma ordenança à Saul, para que ele destrua os amalequitas. Amaleque se fez inimigo de Israel quando este subia do Egito. O Senhor é claro quando diz ao rei de Israel:  "... fere a Amaleque; e destrói totalmente a tudo que tiver..." (v.3)
Saul arma emboscada contra os amalequitas, e prevalece contra eles. PORÉM, o rei mantém vivo Agague, rei de Amaleque e, não sendo o bastante, também conserva o melhor das ovelhas, vacas, cordeiros e tudo o que havia de melhor em Amaleque. Tão somente as coisas vis e desprezíveis …