quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Saul e Davi: os dois primeiros reis de Israel

O povo de Deus vivia sob um regime teocrático, cuja liderança e poder estavam tão somente em Yavé. Porém, chega um momento em que o profeta Samuel, sendo já velho, constitui a seus filhos Joel e Abias como juízes em Israel. Estes, não permanecendo fiéis e retos em seu ministério, dão a deixa para que o povo peça um rei.

Samuel consulta a Deus, que atende o clamor de Israel. Ele revela ao profeta a figura do benjamita Saul, filho de Quis, homem de bens (I Sm 9:1). Saul era de belíssima aparência, tinha todo um perfil de monarca: "... e tão belo que entre os filhos de Israel não havia outro homem mais belo do que ele; desde os ombros para cima sobressaía a todo o povo." (v.2).

Saul logo é ungido rei de Israel, e tudo indicava que o moço teria um reinado promissor. Entretanto, o jovem rei entra por um caminho de desobediência perante Deus. Em I Sm 13:8 narra-se que Saul se precipitou ao oferecer holocausto ao Senhor, sendo que essa ação só cabia ao sacerdote. Não bastasse esse erro, Saul também não faz a vontade de Deus acerca dos amalequitas, logo é rejeitado como rei (leia I Sm 15).

Podemos então nos perguntar - e agora? Israel ficaria sem rei? A resposta é simples: Deus promete, Deus cumpre. Havia um jovem em Belém, pastoreando ovelhas, por nome de Davi. O Senhor manda que Samuel vá de encontro à Jessé, pai daquele jovem e de mais sete filhos. O  notável é que os "sete" estavam em casa quando o profeta chegou, menos Davi. Deus poderia ter mandado Samuel direto para o lugar onde o moço estaria.

Porém os planos de Deus confundem os nossos, e são PERFEITOS. Os irmãos de Davi, provavelmente homens viris, cheios de "pompa", por um pequeno instante enganaram o olhar humano e falho do velho profeta. Mas Deus, que vê o coração, já havia escolhido a Davi, o que estava apascentando ovelhas, só lembrado no último - e oportuno - momento.

Jessé manda chamar o seu filho caçula. Samuel diz que ninguém sentaria à mesa até que ele chegasse. Podemos imaginar a surpresa do profeta ao se deparar com aquele menino e Deus a lhe dizer: É este quem Eu escolhi. E que maior surpresa não teve o pai e os irmãos do jovem Davi, pois jamais pensariam que o pastor iria se tornar rei.  Seus irmãos talvez dissessem consigo: Se nós não somos os escolhidos, muito menos Davi, que é um simples e jovem pastor. Mas ali, no meio deles, Davi é ungido (v.13). Deus honrou Seu escolhido dentro de sua casa. Isso nos remete ao Salmo 23:5, em que se lê: "Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda."

Saul e Davi eram pessoa de aparências distintas. Porém, mais essencial que a aparência, estava a retidão perante Deus. Saul era um jovem abastado, cuja beleza era invejável. Davi era um pastor, cujo perfil não se adequava ao de um rei. A diferença essencial é que ele era segundo o coração de Deus. Por isso, Deus o exaltou.

O foco aqui não é a riqueza de Saul e a simplicidade de Davi. O ponto principal é a obediência e perseverança em fazer a vontade do Todo Poderoso. Saul foi ungido, honrado por Deus, mas não valorizou o que Ele havia lhe entregado. Desobedeceu e prosseguiu em andar errante, sendo rejeitado pelo Senhor. Não adianta ser ungido: tem que andar retamente na presença do Pai. Saul jamais poderia se gabar por ser rei, nem considerar-se superior pelo seu título. Deus não poupa a ninguém da disciplina. Se Saul não é fiel, Deus sempre prepara um Davi para fazer Sua vontade.


O plano de Deus não vai jamais ser frustrado por aqueles que neglicenciam o Seu chamado. O Senhor provê, o Senhor prepara servos com coração sincero e compromisso com Sua palavra. Aleluia!



Nenhum comentário:

Postar um comentário