Pular para o conteúdo principal

Oseias 13.5 - A necessidade de viver o deserto

Quando se fala em deserto, logo pensamos em seca, em escassez, em privação. Mas poucos reconhecem o deserto como algo desejável, um momento pelo qual todos nós devemos passar.

O profeta Oseias tem uma trajetória peculiar. Ele profetizava acerca da destruição e posterior restauração do Reino do Norte (Israel).  O homem de Deus toma por mulher a Gômer, uma prostituta. Essa união ordenada por Deus simbolizava a relação de infidelidade entre Israel para com seu Deus, ao se render à idolatria.

Oseias profetizou nos dias do rei Jeroboão II, de Israel. Nessa época, a prosperidade do reino certamente mantinha o povo tranquilo, sob a farsa da estabilidade. Mas os olhos do Senhor estavam sobre eles, prestes a enviar-lhes a paga pelas suas transgressões.

Israel se prostituía com deuses estranhos. Nos nossos dias, vemos que muitos cristãos, ao dar vez à carne, acabam por se prostituir com o mundo: dão as costas para a vontade de Deus, deixando-se enredar pelo pecado. Mas os olhos do Senhor estão sobre eles, e Sua voz os chama ao arrependimento.

Baseando-nos no versículo-chave, que diz: " Eu te conheci no deserto, em terra muito seca", podemos ver Deus falando com Seu povo. Ele está afirmando que o deserto foi uma fase de "conhecimento". Ora, o Senhor havia permitido o deserto ao povo israelita depois de sair do Egito. Foram 40 anos de "andanças" até a tomada da Terra Prometida. 

Mas por que Deus afirma que conheceu Seu povo no deserto? Sabemos que Israel por vezes murmurou pela sua "estada" no deserto. Até ansiou voltar para a escravidão de Faraó. Porém, Deus jamais desamparava o povo, pois não lhes acabaram as vestes, nem os calçados, nem tampouco alimentos e água. O Senhor supriu a necessidade deles. 

Porém Israel era "difícil" de agradar. Assim acontece conosco hoje. Deus faz tanto por nós, e em vez de agradecermos, pedimos mais ou murmuramos. Reclamamos de mínimas coisas. Deus experimentou seu povo no deserto. Porque é no momento de dificuldade, de privações que nós mostramos quem realmente somos.

Israel, frente aos percalços, já abria a boca para reclamar. Mas será que não reconhecia o que seu Deus já havia feito, a passagem extraordinária no meio do mar? 

Por isso é que o Senhor nos conhece , nos prova no deserto. No deserto, as máscaras caem. No deserto, Ele vê se somos adoradores ou murmuradores. No deserto, Ele conhece se somos crentes mesmo ou é "só conversa".

Passe pelo deserto sem reclamar. Porque é Deus quem te guia no meio dessa sequidão, em que você olha pros lados e não vê nada. Ele providencia maná do céu, água pra saciar tua sede. O Senhor jamais desampara aquele que está sob Sua destra fiel!



Comentários

  1. Excelente texto, que Deus continue te inspirando e através da sua vida possa edificar muitas pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto, nos cristãos realmente precisamos entender que os desertos da vida não nos priva do Senhor da vida.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto, nos cristãos realmente precisamos entender que os desertos da vida não nos priva do Senhor da vida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

2 Reis 6 - Geazi e a cegueira espiritual

A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a PROVA DAS COISAS QUE NÃO SE VEM. As palavras de Hebreus 11:1 nos revelam que confiar em Deus é ir além do que a visão humana pode alcançar. É acreditar naquilo que nossos olhos não enxergam. 
Pois bem, em 2 Reis 6 narra-se um episódio em que o profeta Eliseu e seu moço estavam encurralados. Ben-Hadade, rei da Síria,  havia cercado a cidade de Samaria com seu exército.  Esse rei fazia guerra a Israel, porém Deus dava livramento ao povo através de Eliseu, revelando a ele as estratégias de Ben-Hadade (2 Rs 6:9,10). 
Diz a Palavra que o exército sírio cerca a cidade durante a noite. Às escuras, às escondidas, como todo inimigo faz. Assim é o nosso adversário, vem traiçoeiramente tentar nos afligir. Na manhã seguinte,  o moço levanta muito cedo e avista os carros e cavalos cercando a cidade. Imagine o desespero daquele rapaz! Um grande e poderoso exército ao seu redor, sem possibilidade de escape. 
Quando Geazi vira para Eliseu e pergun…

Isaías 39 - O inimigo bate à porta

Formar vínculos de amizade é algo bom e agradável. Mas há que tomar cuidado com aqueles que, aparentemente "inofensivos", vêm bater na nossa porta. Essa precaução transcende a vida social. No âmbito espiritual, nós cristãos precisamos estar atentos aos INVASORES, cujo objetivo principal é desestruturar a nossa casa.
O rei Ezequias de Judá era um homem temente a Deus, que andava retamente diante do Senhor. Ele já havia vivido um grande livramento de morte, pois Deus lhe acrescentara 15 anos de vida. Também, no reinado do filho de Acaz, o reino de Judá se viu livre da dominação assíria, pois Deus destruíra o exército de Senaqueribe.
Agora, o rei gozava dias de paz prometidos e garantidos pelo Senhor. Mas eis que Ezequias recebe uma "ilustre" visita. O rei da Babilônia, Merodaque- Baladã, envia uma comitiva ao encontro do rei de Judá com cartas e um presente, porque havia ouvido que ele estivera doente. Um ato aparentemente normal, e até louvável.
Ezequias se alegrou c…

1 Samuel 15 - A desobediência de Saul e a rejeição da parte de Deus

A obediência a Deus é a chave da vitória, do êxito. Saul sentiu isso na pele ao querer fazer sua vontade em contraposição à do Senhor. Como resultado, o até então rei de Israel perde sua coroa e começa a viver em declínio constante, até sua morte.
Saul fora ungido pelo profeta Samuel por ordem de Deus. Afinal, o povo de Israel pedia insistentemente um rei. O Senhor atende o pedido, e os israelitas começam a viver o período monárquico.
Em um determinado momento, Deus dá uma ordenança à Saul, para que ele destrua os amalequitas. Amaleque se fez inimigo de Israel quando este subia do Egito. O Senhor é claro quando diz ao rei de Israel:  "... fere a Amaleque; e destrói totalmente a tudo que tiver..." (v.3)
Saul arma emboscada contra os amalequitas, e prevalece contra eles. PORÉM, o rei mantém vivo Agague, rei de Amaleque e, não sendo o bastante, também conserva o melhor das ovelhas, vacas, cordeiros e tudo o que havia de melhor em Amaleque. Tão somente as coisas vis e desprezíveis …